Filme: Quando o amor acontece

Sabe, eu ando meio sem paciência para os livros. Eu disse que isso aconteceria lá no twitter. Quando eu gosto muito de um livro (como aconteceu com Refém da Obsessão), tenho a tendência de não conseguir me focar em nenhuma outra história por um bom tempo. E, olha, eu tentei. Assim sendo, decidi fazer uma maratona por aqui e ver filmes – tantos quanto eu conseguisse. Resultado: tenho uma pilha de filminhos bacanas para compartilhar com vocês nas próximas semanas.

O primeiro que eu vi foi Quando o amor acontece que, vocês sabem, foi transmitido pela Rede Globo essa semana. Por sorte, eu estava em casa e resolvi ver. Apesar do nome, o filme não é bem do tipo “romântico” – está mais para um drama com um nome ruim.

Quando o amor acontece vai contar a história de Birdee Pruitt (Sandra Bullock), que descobre, em rede nacional, que está sendo traída pelo marido e pela melhor amiga. O caso de ambos vem a público e Birdeee decide deixar a cidade grande e voltar para o interior, para a casa de sua mãe, Ramona (Gena Rowlands). Tudo de que ela precisa é refazer a sua vida ao lado de sua filha, Bernice (Mae Whitman). Mas não está sendo fácil esquecer e seguir em frente. Birdee, a garota de ouro da cidade, a menina mais popular do colégio, casada com o melhor cara do time, tinha a vida perfeita. Isso antes de descobrir que Bill (Michael Caré), seu marido, não passava de um canalha.

Em casa, Birdee acaba por reencontrar Justin (Harry Connick Jr.), um antigo colega dos seus tempos de escola, um cara que sempre fora apaixonado por ela, desde que a beijara pela primeira vez, muito anos antes. Assim como Birdee, Justin deixara a cidade para morar numa metrópole, mas acabara retornando, por vontade própria. E agora que sabe que ela está solteira, tudo o que ele quer é conquistá-la. De uma vez por todas.

Eu esperei por um romance daqueles o filminho inteiro. Infelizmente, o cerne do filme está na lama que a vida de Birdee se transformou e na sua luta para sair de lá e recomeçar tudo ao lado de sua filhinha. Ela ainda sente falta de Bill e da vida que eles levavam, e está sendo difícil para ela fazer qualquer outra coisa que ficar na cama de pijamas e se lamentar por tudo o que perdeu. Mas Justin está determinado a fazê-la sair da concha – e, com a ajuda da mãe de Birdee, ele começa a se aproximar dela.

É um filminho bonitinho, com algumas passagens românticas lindas. Numa cena particularmente especial, Justin leva Birdee para conhecer a casa que ele está construindo – e a qual ele mesmo desenhou – e ela pergunta a ele o motivo de ter voltado para a cidade, sendo que era capaz de criar coisas tão lindas. Ele poderia ser um sucesso e ganhar muito dinheiro. E ele diz a ela algo mais ou menos assim: que ele não vai pelo sonho americano, trabalhar e trabalhar para ganhar cada vez mais dinheiro, até que chega um momento no qual você se esquece do motivo pelo qual começou aquilo e da paixão que sentia por aquilo que fazia. É um momento que te faz pensar nas suas próprias escolhas.

Um filminho para curtir numa tarde qualquer, com um balde de pipocas do lado. Gostoso, com uma trilha sonora incrível e uma lição bem bacana sobre recomeços. Recomendo.

Quer mais indicações de filmes legais para assistir? Clique aqui.

Tags: | | | |

Sobre o Autor

Inara Souza
Inara Souza

24 anos, interior de São Paulo. É formada em Engenharia Civil e pós-graduada em Arquitetura de Interiores. Criou o Casinha Arrumada para falar das coisas que mais ama e compartilhar histórias. É apaixonada por decoração, livros, músicas e séries de TV. Siga nas redes sociais: Instagram - Facebook - YouTube - Pinterest

13 Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


  1. Oi Inaraa!
    Eu também assisti a esse filme no dia que passou na globo, na verdade já tinha assistido a ele antes e eu amei o filme! É uma história simples, parecida com muitas por aí mas é essa simplicidade que a torna boa. Eu particularmente amo demais as atuações da Sandra Bullock, e nesse filme não foi diferente =D
    Sentia tanta pena da filhinha dela =/ rs

    Beeijos,
    iSteh

    • Pois é, uma droga. É um nome pior que o outro, principalmente quando o filme é romance ou comédia romântica.

      Obrigada flor, fico feliz que tenha gostado do meu cantinho! <3

      Beijos!

  2. Oi Inara, assisti esse filme há um bom tempo e lembro que não gostei do casal porque achei o homem meio feioso, rsrsrs. Além disso achei o romance bem fraquinho. É um bom filme pra passar o tempo, mas eu não assistiria novamente.

    Beijos
    Caline – Mundo de Papel